Portela em festa: a consagração do carnaval e as flores em vida de Monarco


André Camargo

 

Neste ano de 2016, o ritmo carioca, internacionalmente conhecido como samba, através dos belíssimos desfiles das escolas de samba na Marques de Sapucaí, comemora 100 anos. O samba “Pelo telefone”, de Ernesto Joaquim Maria dos Santos, o Donga, e Mauro de Almeida, apesar das controvérsias, foi gravado em 1916, data considerada oficial para o centenário do samba, dando inicio à trajetória desse ritmo popular que hoje é Patrimônio da Humanidade. Rezam as lendas que a obra de Donga e Almeida foi composta em casa de Hilária Batista de Almeida, a lendária Tia Ciata. No ultimo sábado, dia 23 de julho, a quadra da Portela recebeu a 12ª edição do Prêmio da revista Plumas e Paetês Cultural, em um evento fechado para convidados e para a imprensa. A festa de premiação não poderia ser em outro lugar, pois o grande homenageado foi o sambista, compositor, mestre Monarco, hoje Presidente de Honra da escola e líder da mais tradicional Velha Guarda do Rio de Janeiro. Em uma cerimônia glamurosa, repleta de emoção, profissionais de 26 categorias foram agraciados: aderecista, artesão, artista plástico, carnavalesco, carpinteiro, compositor, coreógrafo, costureira, desenhista, destaque de luxo, escultor, ferreiro, figurinista, gestor de ateliê, iluminador, inovação, jornalista, maquiador artístico, pesquisador, pintor, fotógrafo, radialista, repórter, gestor de mídia, melhor bloco de carnaval e “Eu sou o samba”.

A Escola de Oswaldo Cruz, 21 vezes campeã do carnaval carioca e há 32 anos sem ganhar um título, encerrou seu desfile deste ano aos gritos de “É Campeã”, mas infelizmente os jurados viram falhas, o que a colocou em 3º lugar. Na 12ª edição do Prêmio Plumas e Paetês Cultural, o carnavalesco Paulo Barros ganhou o Troféu de Melhor Carnavalesco do Grupo Especial. Além deste, o grupo Azul e Branco arrematou mais 6 prêmios: o de Carpinteiro (Fábio Christiano); Desenhista (João Vitor); Compositor (Samir Trindade, Wanderley Monteiro, Elson Ramires, Lopita 77, Dimenor e Edmar Jr); Eu sou o Samba 2016 (Marcos Roza – Pesquisador de Enredos e Odalea Rosa Negra – Departamento Feminino) e de Personalidade do Carnaval 2016. que não poderia ser outro que não o Baluarte portelense, Monarco.

O ponto mais alto e mais esperado da festa foi a entrega do busto de bronze com a escultura de nosso mestre. A emoção tomou conta de todos quando ao som de “Coração em desalinho”, composição de Monarco, o presidente Marcos Falcon retirou o manto azul que segredava o semblante humilde do sambista e compositor, que assim se expressou: “Estou muito feliz, porque não é comum alguém receber este tipo de homenagem ainda em vida. Então estou recebendo as flores em vida, como diz a música famosa do Nelson Cavaquinho. Já consegui muita coisa na vida. Sou uma pessoa realizada! Agora só falta o título da Portela, que está muito perto de chegar”, vaticinou o Mestre Monarco.

A festa foi encerrada com o show de Monarco, tendo como convidados sua querida e eterna Velha Guarda da Portela. Seus filhos Mauro e Pedro Diniz, sua neta, Juliana Diniz e o amigo Zé Katimba, junto com a Bateria Tabajara, deram o tom de afeto, alegria, amizade, fraternidade que predominou na quadra da Azul e Branco.

Uma noite para não esquecer.