TIA SURICA

Iranette Ferreira Barcellos nasceu em Madureira, no dia 17 de novembro de 1940. Quando ainda tinha 4 anos, desfilava na Portela, presa à cintura da mãe, Judith, acompanhada de perto pelo pai, Pio.

Surica, apelido dado pela sua avó, é um adjetivo usado para roupa curta, por encolhimento. Quem conhece Iranette sabe que o apelido lhe cai como uma luva. O que falta em altura, sobra em talento e alegria. Em 1966, foi puxadora do samba-enredo “Memórias de um Sargento de Milícias”, de autoria de Paulinho da Viola, ao lado de Maninho e Catoni.

Adepta do candomblé baiano, é filha de santo da Yalorixá Olga de Alaketu.

É uma das lendas vivas da escola de Madureira, além de cozinheira afamada. Organizou em sua casa rodas de samba regadas a quitutes e feijoadas, sempre frequentada por pessoas da comunidade e artistas da MPB, dentre eles, Paulinho da Viola, Marisa Monte, Beth Carvalho e Ivan Milanez, da Velha-Guarda do Império. Tia Surica permanece fiel ao bairro onde nasceu. Ela mora em uma vila, bem próxima ao Portelão. Sua casa é conhecida carinhosamente como “Cafofo da Surica”. No ano de 2004, ao lado de Tia Doca e Tia Eunice, foi uma das protagonistas do curta-metragem Batuque na cozinha, de Anna Azevedo.

Em 1980, entrou para a Velha Guarda da Portela, a convite de Manaceia.

Aos 63 anos, Tia Surica lançou, seu primeiro CD, Surica, pela Fina Flor e Rob Digital, cujo repertório reúne a elite de compositores da Portela como Monarco, Chico Santana, Aniceto, Casquinha, Manaceia, entre outros. Em 2017, sagrou-se campeã pela Portela.

Fontes: http://dicionariompb.com.br/surica
VARGENS, João Baptista M; MONTE, Carlos Monte. A Velha Guarda da Portela. 2. ed. Rio de Janeiro: Manati, 2004.