Eunice
(Eunice Fernandes da Silva )

Nasceu em Cascadura, na Rua do Sanatório, em 24 de junho de 1920. De lá, mudou-se para a Estrada Intendente Magalhães. Abrigou-se, também, sob o teto de Madalena Xangô de Ouro, na Rua Quintão, em Quintino Bocaiúva. Trabalhou em vários setores da fábrica de linha Borborema e também como costureira na confecção CIATEC, cujo modelista era o consagrado costureiro Gil Brandão. Casada, foi morar em Rocha Miranda e entrou para a Portela pelas mãos de seu fundador, Paulo Benjamim de Oliveira, amigo de seu marido Nicolau, com quem teve cinco filhos.

Excelente cozinheira, exercia seus dotes culinários tanto em casa como na casa dos vizinhos da Estrada do Sapê, aos domingos ou em dias de festa. Paulo da Portela, apreciador de suas iguarias, sempre lhe pedia que preparasse galinha ao molho pardo, seu prato preferido.

Entrou para a Velha Guarda por volta de 1975. Era da ala das baianas. Foi apresentada por Alberto e aprovada no teste de voz por Manaceia e Alvaiade.

Segundo Paulinho da Viola, Eunice é a “grande mãe”, recatada, humilde, e dança muito bem, além de ser animada.

Eunice sente-se orgulhosa de pertencer à Velha Guarda: “Nunca fui desrespeitada. Nós, pastoras nos impomos e me sinto bem assim”.

Tia Eunice morre aos 94 anos, em 23 de março de 2015.

 

Fonte: VARGENS, João Baptista M; MONTE, Carlos Monte. A Velha Guarda da Portela. 2. ed. Rio de Janeiro: Manati, 2004.