NOMES SAGRADOS DO REINO DA ÁGUIA
Carnaval 2017

SINOPSE

Exaltar a influência feminina no samba, e em nossa escola mãe Portela;
Escola reverenciada de pastoras , mães, do lar, da fé religiosa, do samba, cada uma com seu brilhantismo percussoras e referências de nossa cultura popular.
De Joana, a mãe que gera o filho fundador de nossa escola querida, como temos a Águia que cuida de seus filhos com amor e dedicação;
De Vilma, que desponta com o bailar e maestria conduzindo a bandeira de uma ‘nação;

 

Tia Dodô, carinhosamente chamada pelo povo, a nobreza das damas, também como porta bandeira, e responsável pelas ações de graças dos padroeiros;
De Ilma, como tantas outras com sua habilidade representa as mulheres que teciam as fantasias , como também era uma notável pastora e, durante alguns anos, foi nossa 1ª dama, agraciada por conduzir a ala de baianas;
E salve a fé , a devoção de D.Esther, que congrega nos tempos de Osvaldo Cruz em sua casa com festas e trazendo varias pessoas para o mundo do samba, ainda ínfimo de expansão mas muito apreciado, e com seu catolicismo apresenta os padroeiros Nossa Senhora da Conceição e São Sebastião (padroeiro de nossa cidade ) e com o sincretismo se firma na figura de Oxum (A evocação popular, tradicional, celebra a Nossa Senhora da Conceição (ou Concepção), isto é, celebra o arquétipo da Maternidade) Oxóssi é a expansão dos limites, enquanto a caça é uma metáfora para o conhecimento, a expansão maior da vida.

E elas se entrelaçam com tantas outras , as Pastoras, responsáveis pela aprovação dos sambas dos homens, e então as homenagens não se esgotam. Salve Ilma, Vicentina, Doca, Surica, Netinha, esta notável mulher portelense que conta histórias de outrora de sua paixão :Portela;
Quando se fala em escola de samba vem em mente a força do batuque, do pulsar que embala os passos e compassos, os ritmos, e nessa história se desponta Dagmar, primeira mulher a tocar surdo em uma escola de samba, seguindo o segmento hoje chamado de posto de rainha de bateria, Portela teve sua não menos rainha,Marlene que bailava em frente os toques carregando com orgulho o então extinto estandarte
E é no passo do samba que se vai apresentando a clássica mulher do samba com seu galanteio sensual e único, Nega Pelé, e desfilando com maestria a notável e irreverencia Maria Lata D’água.

E se tem samba tem sim senhor desde os tempos das rodas de sambas em casa onde o dinheiro faltava mas a fartura estava com os quitutes da antiga peixada, a galinhada até a grande estrela de nossa Escola a famosa Feijoada.
Mas não podemos jamais esquecer o samba de raiz que vem de casa do fundo do quintal seja do cafofo ou do pagode, é de casa, do ceio do lar feminino, também que se faz e a nossa Majestade do Samba sempre se fez e é notável o meu lugar em Osvaldo Cruz e Madureira.

Que possamos sempre ensinar as nossas crianças, afinal somos uma “escola” de samba.
São elas as grandes estrelas que vão compondo a constelação azul e branca como universo intermináveis.

SINTESE DO ENREDO

O G.R.C.E.S.M. Filhos da Águia, dando continuidade ao segmento de apresentar às crianças a importância da história da Portela, traz neste carnaval, a influência e destaque do poder feminino na agremiação, destacando a presença primordial e impactante , desde a criação até mesmo a presença nos segmentos da escola, a influência religiosa, a mãe, a esposa, cantora, percussionista, semeando a cultura do samba através da magia dos seu reinos musicais, dança, culinária, fé e religião, sociedade como um todo.

Destacando algumas grandes personalidades portelenses :
D. Joanna ( mãe do majestoso e fundador da Portela Paulo da Portela);
D. Esther ( grande mulher como líder religiosa em Osvaldo Cruz e Madureira)
Tia Dodô ( uma das primeiras Porta- Bandeira)
Tia Vicentina (cantora da Velha Guarda e comandou a feijoada Portelense)
Tia Doca (pastora da velha e grande influência na roda de samba de Madureira)

Vilma Nascimento (grande destaque como Porta Bandeira recebendo o titulo de Cisne da Passarela)
Dagmar (primeira mulher a tocar instrumento de percussão na bateria até então dominada somente pela figura masculina)
Nega Pelé (passista referência até os dias atuais)
Maria Lata D´’Agua ( dançarina que repercutiu com a irreverência de bailar ao som do samba na avenida com uma lata d’água na cabeça)
Ilma (pastora e responsável pelas baianas da Portela)
Tia Surica ( pastora da Velha Guarda Show da Portela e a primeira mulher como interprete de samba enredo na avenida em 1966 consagrando a escola campeã)

Netinha ( grande pastora e memória viva da história da Portela)
Tacira ( grande cantora de carro de som da avenida, principalmente em 1970)
E tantas outras que vão escrevendo sua história e fortalecendo a nossa querida Portela!
Marlene Nascimento não existia ainda o posto de rainha de bateria mas foi a primeira a vir a frente de uma bateria de escola de samba empunhando o estandarte.

 

SAMBA