Titulo Enredo
Enredo

“Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse rio passar”

RESUMO

O rio inspira os homens. De suas águas, pescam o sonho e o conhecimento, colhem a história e o encantamento. O rio azul e branco nasce da fonte de onde se originam a vida e as culturas humanas. Prima matéria, a água doce está associada aos mitos de criação do universo das antigas civilizações, é a manifestação do sagrado nasreligiões e a maior riqueza para as sociedades modernas. A Águia bebe dessa água cristalina em sua nascente, onde brota o bem mais precioso criado pela natureza. No berço do samba, o pássaro abençoa a passarela, leito do rio da Portela. Segue recolhendo a poesia de muitos outros rios, enquanto mantém o seu rumo. Atravessa a Avenida, lavando a alma de quem deseja ver o rio passar, saciando a sede de vitória, irrigando de alegria o povo que habita a beira do rio. Suas águas purificam o corpo, afogam a tristeza e renovam as forças a cada alvorada. Convida a conhecer seus mistérios, cruzando aldeias e povoados, cidades e países distantes.

O rio é velho e por ele correm muitas histórias, porque sempre esteve ali a guardar os segredos das águas que deram origem ao mundo. O rio é novo porque está sempre em movimento e nunca passa duas vezes pelo mesmo lugar. O rio não pode voltar. Ele segue em busca do seu destino. Nasce como um fio d’água, calmo e sereno, e continua para receber muitas contribuições em seu curso. Enquanto cresce, irriga e fecunda as margens de onde se colhe o alimento do corpo e da alma. Avança sobre a terra e não se deixa vencer pelas pedras que encontra no caminho. Passa inspirando canções e poemas, linhas e formas sinuosas. Em sua exuberância, desfila entre matas, plantações, casas humildes e mercados, do interior até chegar às grandes metrópoles e receber as imensas construções fincadas em suas margens. O homem e o rio estão ligados pelo corpo e pelo espírito. Os artistas, músicos e cantadores, arquitetos e escritores incorporam a alma do rio e refletem suas imagens. Aqueles que se entregam à devoção e murmuram suas preces, pedidos e promessas fazem procissões e oferendas, agradecidos pelos desejos atendidos. O homem tira a vida do rio. A vida é como um rio que corre em direção ao seu destino.

Desfile

ABERTURA
A nascente do rio guarda os segredos da criação do mundo. Surge generosa, na Avenida, encharcando a terra, fecundando o solo, despertando a natureza. Lugar de devoção de onde emana a energia criadora, a fonte dourada reflete as cores do sol, anunciando que vale ouro nosso bem mais precioso. A Águia encantada bebe a água sagrada e abençoa aqueles que respeitam os mistérios da fonte da vida.

O PASSADO É UM PRESENTE DO RIO
E muitos são os segredos que repousam no leito do velho rio. As antigas civilizações iniciaram seus processos de organização social com o crescimento das vilas, povoados e cidades. Tudo começou com o desenvolvimento das técnicas de agricultura, o que permitiu que as primeiras sementes fossem plantadas e germinassem, fixando a vida e o conhecimento nas terras férteis no entorno dos rios. Muitas eram extremamente avançadas e se organizavam em sociedades que impressionam pela sabedoria que detinham sobre as ciências. Ao mesmo tempo, cultuavam seus deuses e os mitos de criação a eles relacionados. No desfile da Portela, essas divindades representam as poderosas relações entre o homem e a natureza, principalmente com os rios. Definem culturas milenares, pois são ícones representativos desses povos até hoje

SERES DO RIO
Que outras histórias nos conta o rio? Dele emergem seres que seduzem por sua beleza, impõem respeito pela força ou por encantamento. O mito da Cobra-Grande, “mãe do mundo”, é um dos mais antigos e está presente em diversas culturas. Se muitos temem a gigantesca Boiuna, a serpente de olhos de fogo, alguns se deixam seduzir pela Iara, a bela sereia que enfeitiça os homens e os arrasta até o fundo do rio, de onde jamais voltarão. Lendários dragões que habitam e controlam as águas também são temidos e venerados. Entretanto, existem seres que não fazem parte do mundo sobrenatural. Os aguapés, delicadas plantas aquáticas que filtram as impurezas, podem se reproduzir velozmente em ambientes muito poluídos, matando os peixes e se transformando em praga. Já na “terra dos mananciais”, a ameaça vive em águas escuras que escondem o enorme crocodilo, réptil nativo de um país que o respeita e admira.

A VIDA PULSA NA BEIRA DO RIO
De onde vem o que é mais importante para viver? O que sustenta o dia a dia das populações ribeirinhas espalhadas pelo mundo? O corre-corre da vida daqueles que amanhecem todos os dias nas beiradas em palafitas, no “zum zum zum” das lavadeiras, no vai e vem das embarcações repletas de produtos a suprir os mercados, cruzando as águas que servem a todos, invade o rio da Portela.

Mudam-se famílias inteiras, levando outros sons e cheiros para onde existia o silêncio das matas e o burburinho do rio. Pintam de novas cores o contorno e avançam em todas as direções em busca de um pedaço de chão. Existem também aqueles que perdem o rumo e o rio. Mas o rio da Portela é doce e carrega as mágoas de quem sofre desengano por ter perdido um grande amor.

A ALMA DOS RIOS
Formas e cores. Sons e poemas. Se a alma que emana do rio inspira o desenho da catedral que repousa em sua margem, também escreve o romance que dá vida ao personagem que a habita. Ah, a alma dos rios também está na música que valsa nos salões e traduz o sentimento das águas calmas atravessando montanhas e florestas. Baila o rio azul, entre saltos e corredeiras, e a cada curva revela uma nova aventura. Conta a história dos índios que preferem morrer a ter que entregar as terras em que plantaram suas vidas. E o grito de resistência atravessa o tempo: enterrem meu coração na curva do rio. O sentimento de liberdade que flui na alma dos rios também ecoa da música negra norte-americana, ritmo e canto que se desprendem das margens e correm pelo mundo.

MEU CORAÇÃO SE DEIXOU LEVAR
Se um dia, que fosse por um único dia, o rio carregasse toda tristeza, se encheria de lágrimas para levar alegria a quem suplica ao Senhor para tornar-se um instrumento da paz. A barqueada atravessa o velho rio, onde os devotos navegam entre rezas e cânticos de fé.

Nessas águas azuis, encontram-se muitas culturas, histórias e credos, lendas e mistérios. Recebem, pelo caminho, orações e oferendas. Refletem o ouro das nascentes, que brilha no culto a Oxum, orixá das águas doces do rio, da riqueza, da prosperidade e da beleza. Arrastam o povo, cantando a música que só um rio pode inspirar. No altar do samba, rezam as pastoras e os pastores, como fiéis na santa missa da capela. Cobre a Sapucaí o manto azul e branco da Portela. Salve o rio, salve a Santa, salve ela!

Isabel Azevedo
Ana Paula Trindade
Simone Martins
Paulo Barros

 
Samba

"Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver este rio passar"

Vem conhecer esse amor
A levar corações através dos carnavais
Vem beber dessa fonte
Onde nascem poemas em mananciais
Reluz o seu manto azul e branco
Mais lindo que o céu e o mar
Semente de paulo, caetano e rufino
Segue seu destino e vai desaguar

A canoa vai chegar na aldeia
Alumia meu caminho, candeia
Onde mora o mistério, tem sedução
Mitos e lendas do ribeirão

Cantam pastoras e lavadeiras pra esquecer a dor
Tristeza foi embora, a correnteza levou
Já não dá mais pra voltar (ô iaiá)
Deixa o pranto curar (ô iaiá)
Vai inspiração, voa em liberdade
Pelas curvas da saudade
Óh mãmãe orayeyeo vem me banhar de axé orayeyeo

É água de benzer, água pra clarear
Onde canta um sabiá

Salve a velha guarda, os frutos da jaqueira
Oswaldo cruz e madureira
Navega a barqueada, aos pés da santa em louvação
Para mostrar que na portela o samba é religião

O perfume da flor é seu
Um olhar marejou sou eu
Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse rio passar

Resultado

Livros


JUSTIFICATIVAS DOS JURADOS
QUESITO MÓDULO 1 MÓDULO 2 MÓDULO 3 MÓDULO 4
Alegorias e Adereços Madson Oliveria Walber ângelo de Freitas Soter bentes Teresa Piva
Bateria Jorge Gomes Sérgio Naidin Claudio Luis Matheus Philipe Galdino
Fantasias Desirée Bastos Regina Oliva Helena Gomes Ana Cohen
Samba Enredo Clayton Oliveira Felipe Trotta Alice Serrano Alfredo Del Penho
Comissão de Frente Paulo Cesar Morato João Wlamir Marcus Nery Magalhães Raphaela Ribeiro
Evolução Fabiana Sobral Edileuza Batista de Aleluia Edilberto Fonseca Salete Lisboa
Harmonia Deborah Levy Humberto Fajardo Célia Souto Jardel Maia Rodrigues
Mestre-Sala e Porta-bandeira Beatriz Badejo Karen Mesquita Marilene Telles Mônica Barbosa
Enredo Luiz Antônio Araújo Valmir Aleixo Marcelo Figueira Artur Nunes Gomes
CAMPEÃ DO CARNAVAL CARIOCA 2017
 

Fonte: site da LIESA