Último Asas Abertas leva compositores campeões da escola em Celebração ao samba-enredo

 

A roda de samba de raiz mais charmosa do Rio, o Portela de Asas Abertas, realiza sua última edição no próximo dia 16 de novembro, a partir de 14h. A grande festa que marca a despedida do mais bem sucedido evento do Departamento Cultural, vai receber a 3ª edição do Molhando a Palavra, o 4º Encontro dos Consulados da Portela e vai festejar o gênero samba-enredo.

“Ao longo dos anos, o Asas tem contribuído para manter viva a chama das rodas de samba tradicionais e o repertório do cancioneiro portelense. Nessa última edição, nada mais justo que trazer o samba-enredo de novo para o centro da quadra e também por isso resolvemos trazer o Molhado a Palavra para misturar o prazer do cantar com a reflexão”, afirma o diretor cultural Rogério Rodrigues.

O Molhando a Palavra é um projeto que se propõe a preservação de memória e aprofundamento de reflexões a respeito dos temas pertinentes ao funcionamento das escolas de samba como instituições culturais e carnavalescas. “Debater o papel do samba-enredo neste momento de crise financeira e das relações com o poder público é fundamental, especialmente depois que as escolas acordaram e voltaram a participar do debate das questões que afligem as pessoas com enredos mais críticos”, explica Rogério.

Já confirmaram presença os compositores campeões Claudio Russo, Celso Lopes e parceiros, Samir Trindade e parceiros, Flávio Bororó e parceiros,

Alexandre Fernandes e parceiros, Júnior Escafura e parceiros, Luiz Carlos Máximo, Jorge do Batuke, Valtinho Botafogo e a parceria bicampeã 2018/2019.

Como todo papo de sambista precisa ter samba, eles vão participar da roda acompanhados pelo Samba Dos Crias, que será a principal atração musical da tarde-noite na quadra da Portela. Os Crias vão exibir seu repertório e também entrar na onda do samba-enredo com os demais convidados.

Conforme vem ocorrendo desde 2016, os Consulados da Portela vão se reunir na sede da escola e neste ano por um motivo especial: o batismo do mais novo integrante da família, a representação de Petrópolis.

Os presentes também poderão provar a gastronomia das pastoras da Portela, prestigiar a Feira de Empreendedores e a exposição especial de alunos da região para marcar o Dia da Consciência Negra, sob coordenação do professor Luiz Espírito Santo.

Sobre o fato de essa ser a última edição, na opinião de Rogério Rodrigues, o Asas Abertas cumpriu sua função:

“Durante esses anos, nasceram ou debutaram para o público aqui muitos sambistas como os agrupamentos dos consulados de São Paulo e Rio Grande do Sul, o Samba da Princesa de Juiz de Fora, o 7 na roda de Brasília, os Jongueiros mirins do Herdeiros do Cativeiro de Barra do Piraí e também recebemos nomes consagrados como Galocantô, Samba da Pedreira, Produto do Morro, Moça Prosa, Teresa Cristina, Glória Ao Samba, Terra Brasileira, Samba d’Aurora, Pedra do Sal, Samba de Olaria, de São Paulo, Tudo Azul Paulistano, sem falar nos bambas do quilate de Monarco, Herdeiras do Samba, as pastoras da Velha Guarda Show, Casquinha, Marquinhos do Pandeiro. É muita gente boa!”

Segundo Rogério, é preciso explorar novos formatos. O Asas Abertas a partir de agora fará parte de eventos como a 2ª FLIPortela, a Feira Literária da Portela, em 2020.

Visite o site do Departamento Cultural em www.portelacultural.com.br. Siga o Departamento Cultural nas redes sociais @portelacultural e conheça também o site portelaweb.org com a história da escola.

Fonte.:  www.portelacultural.com.br