Crivella sobre subvenção: Estamos aplicando em outra escola, a escola da rede pública municipal

 

Se ano passado o destino da subvenção eram as creches, este ano o dinheiro vai – será? – para as escolas públicas municipais. É assim que o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, pretende usar a verba que economizará ao não investir nas agremiações do Grupo Especial e Série A para o Carnaval 2020.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, Crivella voltou a dizer que a folia carioca é um “bebê parrudo” que precisa “largar o peitinho da mamãe” – ele já havia falado a expressão ao cortar a verba para o Carnaval 2019. O prefeito também afirmou, novamente, que o Rio de Janeiro não dará dinheiro a eventos com venda de ingressos.

“Não se pode ter recurso público em atividade privada. Seja o Rock in Rio, seja o Carnaval. Podemos fazer a festa do Réveillon. Ali vai todo mundo. Triplicamos os recursos da Intendente Magalhães. Com a economia do Carnaval, estamos aplicando em outra escola, a escola da rede pública municipal. Não tenho como gastar tanto recurso se o Carnaval pode ter o seu patrocínio próprio. Costumo dizer que o Carnaval é aquele bebê parrudo, que já tem que largar o peitinho da mamãe dele. Já está indo para a papinha”, disse Crivella.

O prefeito usou cifras para justificar sua tese de que não vale a pena investir no Carnaval. Ele indagou se a prefeitura tem que pagar R$ 70 milhões, contudo, o dinheiro destinado às agremiações em 2019 ficou longe desse montante. O total de subvenção girou em torno de R$ 11 milhões, sendo: R$ 500 mil para cada escola do Especial; R$ 250 mil para cada escola da Série A; e R$ 1 milhão para as escolas da Intendente Magalhães.

“O Carnaval gera R$ 80 milhões em ingressos para a Liesa. E R$ 240 milhões para a Globo em patrocínios. A prefeitura tem que pagar R$ 70 milhões? É certo a prefeitura pagar o conteúdo para a Globo faturar? É certo pagar o Carnaval para que a Liesa fature? Não”, afirmou Crivella.

Criticado por prejudicar o Carnaval por conta da sua fé – o prefeito é bispo licenciado da Igreja Universal -, Crivella lembrou que foi o primeiro cantor evangélico a gravar um samba, chamado ‘Gente Fina’:”Me lembro de uma vez, num culto da catedral, com o bispo Macedo balançado o pezinho. Ele pode até negar, mas eu lembro disso. Aliás, o Bezerra da Silva gravou o meu samba!”.

Fonte.:  www.gresportela.com.br