MPRJ vai Ó Justiša para tentar reverter nova virada de mesa no carnaval do Rio

 

Promotor Rodrigo Terra afirmou ainda que vai aplicar a multa de R$ 750 mil à Liesa. Em reunião nesta segunda (3), maioria das escolas decidiu manter a Imperatriz no Grupo Especial.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) vai à Justiça para reverter a “virada de mesa” que manteve a Imperatriz Leopoldinense no Grupo Especialdo carnaval do Rio.

Em uma reunião para discutir orçamentos, na noite desta segunda-feira (3), oito escolas apresentaram o pedido para não rebaixar a Imperatriz. Em votação, as oito ratificaram a proposta.

A “virada de mesa” – a terceira em três anos seguidos – contrariou acordo entre a Liga das Escolas (Liesa) com o próprio MP, depois da abertura de um inquérito.

Pelo regulamento, a última e a penúltima colocadas no desfile das escolas de samba do Grupo Especial deveriam ser rebaixadas à Série A - caso da Imperatriz e do Império Serrano. Mas a "virada de mesa" só valeu para Ramos: Madureira ficou de fora.

O promotor Rodrigo Terra informou ao Blog que, antes de ir à Justiça, vai aplicar a multa de R$ 750 mil, como previsto no termo de ajustamento de conduta (TAC).

Signatário do TAC, o então presidente Jorge Castanheira pediu demissão após a votação desta segunda-feira.

“Foi votado. Oito escolas votaram a favor da permanência da Imperatriz. A minha sugestão era de que se fizesse alguma coisa no futuro, no regulamento de 2020. Não foi aceito. Oito escolas votaram a favor e cinco contra a decisão. Eu declarei, em plenário, pedi que estou me afastando da Liga porque não concordo com essa situação de maneira alguma”, completou Castanheira.

Fonte.:  G1.globo.com