Socorro! Escolas mirins fazem evento na Estácio pra desfile das crianças não ser cancelado

 

Por Ângelo Mathias

Se tá difícil para as escolas do Grupo Especial e da Série A do Rio – as protagonistas do Carnaval da Marquês de Sapucaí -, imagine a situação das agremiações de base da festa. A Associação das Escolas Mirins (AESM-RIO), por exemplo, tá com o pires na mão pra conseguir colocar o carnaval da criançada nas ruas.

A entidade vai promover no dia 27 de janeiro, um domingo, o evento “SOS Escolas de samba Mirins – Não deixe o samba morrer”. Trata-se de uma tentativa de arrecadar fundos para sanar as dificuldades financeiras que atravessam as 16 agremiações compostas exclusivamente por sambistas menores de idade. Ano passado, cada escola recebeu pouco mais de R$ 30 mil.

— A situação está caótica, as crianças ficam ansiosas querendo saber se vão desfilar — lamenta Gabriel Azevedo, presidente da Estrelinha da Mocidade.

A roda de samba beneficente acontecerá na quadra da Estácio de Sá e o valor arrecado (a entrada custa R$ 15 e dá direito à macarronada) será revertido para as escolas da turma de samba miudinho. Até o momento, nenhuma delas recebeu o repasse de verbas da Prefeitura do Rio e tampouco assinou o contrato que garantiria a subvenção pública.

— Não temos previsão de dinheiro. Possivelmente, isso pode estar acontecendo com a Liesb (a instituição responsável pelos desfiles das séries B, C, D e E da Intendente Magalhães, no Campinho, Zona Norte do Rio) e a Federação dos Blocos, porque normalmente quando a Riotur
chama pra assinar o contrato, vão os três órgãos juntos — informa a assessoria de imprensa da AESM-RIO.

Formação de base! Sambistas defendem relevância das escolas mirins

Para reforçar a importância de vivenciar os hábitos de bamba desde a infância, sambistas experientes conversaram com o Sambarazzo e relembraram como estrearam no universo do carnaval até chegar à fase adulta.

Orgulhosos do passado mirim, eles integram a corrente de solidariedade que tenta garantir que dias melhores batam à porta do grupo, composto por Mangueira do Amanhã, Corações Unidos do Ciep, Infantes do Lins, Filhos da Águia, Pimpolhos da Grande Rio, Ainda Existem Crianças de Vila Kennedy, Tijuquinha do Borel, Miúda da Cabuçu, Império do Futuro, Inocentes da Caprichosos, Estrelinha da Mocidade, Aprendizes do Salgueiro, Nova Geração do Estácio de Sá, Petizes da Penha, Golfinhos do Rio de Janeiro e Herdeiros da Vila.

Mestre-sala do Salgueiro começou em escola mirim: “Divisor de águas”

Responsável por defender o pavilhão da “Academia do Samba” há seis temporadas, o mestre-sala Sidclei Santos deu os primeiros passos na dança na Corações Unidos do Ciep. Em seguida, foi para a Herdeiros da Vila, fruto da Unidos de Vila Isabel.

— Foi um divisor de águas pra eu chegar até onde cheguei. Aprendia a tocar instrumentos, a dançar na comissão de frente… Isso tudo já na primeira mirim que frequentei. Depois, na Herdeiros, também passei por vários segmentos, até me identificar como mestre-sala — conta Sidclei, reforçando que as agremiações mirins devem continuar desfilando sem nenhum tipo de competição, apenas por diversão e aprendizado.

Porta-bandeira da Portela sai até hoje na escola mirim onde começou

Uma das maiores finalidades das escolas mirins é formar sambistas. É dali que brotam grandes talentos, que tempos depois se destacam nos principais grupos do Carnaval. A consagrada porta-bandeira da Portela, Lucinha Nobre, também começou a carreira nas categorias de base da festa.

— Aprendi a dançar em escola mirim, comecei em 1984, na Alegria da Passarela (atual Aprendizes do Salgueiro), e desfilei uma vez na Herdeiros da Vila. Na minha época, não tinha escolinha para mestre-sala e porta-bandeira, então a gente aprendia na mirim mesmo — conta Lucinha, que não virou as costas para o passado e até hoje desfila pela Aprendizes, na velha-guarda.

Substitutos de Marcão no Salgueiro estrearam na mirim da escola

Novos na função de mestres de bateria da “Furiosa”, do Salgueiro, Guilherme e Gustavo foram outros a passar pela escola mirim da vermelho e branco.

— Comecei aos 7 anos. Desfilei em ala, carro alegórico e cheguei na bateria com 12 anos. Depois disso, comecei a viver de música, dando aulas
de percussão, acompanhando artistas em shows, gravações… Devo tudo isso à escola Aprendizes do Salgueiro, me fez um apaixonado por percussão — pontua Guilherme.

Gustavo também carrega boas recordações da escola de crianças, onde orgulhosamente chegou a atuar como mestre e, atualmente, desfila como presidente da bateria:

— Nosso pai foi diretor da escola. Como ele era salgueirense ‘doente’, fomos criados ao lado da quadra e praticamente crescemos ali. Em 1999, entrei pra bateria do Aprendizes e fiquei viciado. Em 2003, virei diretor de bateria e, quatro anos depois, me tornei mestre. Aprendi muito sobre liderança, organização e como lidar com as pessoas. Nunca vou largar o Aprendizes.

Em 2013, Thatiane Carvalho participou do concurso “Intérprete do futuro”, do RJTV, e foi a grande campeã. Agora, integra o carro de som da Estácio de Sá.

— O concurso foi de extrema importância, não somente pela visibilidade que me proporcionou, mas por meio dele surgiu o convite para fazer parte do carro de som da Estácio. Competimos entre amigos, foi muito sadio e emocionante, um torcia pelo outro, não havia rivalidade — lembra Thatiane.

O desfile das escolas mirins está marcado para Terça-Feira de Carnaval, 5 de março, às 18h, na Marquês de Sapucaí. O público não paga ingresso para assistir à festa dos pequenos.

Roda de samba “SOS Escolas de Samba Mirins – Não deixe o samba morrer”
Participações especiais: Gabrielzinho do Irajá, Dorina, Enzo Belmonte, Marquinhos Diniz, Wanderley Monteiro e intérpretes de escolas de samba do Grupo Especial e Série A
Data: 27 de janeiro de 2019 (domingo)
Horário: 13h
Entrada: R$ 15 (com direito a prato de macarronada)
Local: Quadra da Estácio de Sá – Avenida Salvador de Sá, 206 – Estácio
Informações: (21) 2504-2883

Apoio de luxo! Ilustres portelenses, os cantores Paulinho da Viola e Marisa Monte sempre fazem questão de prestigiar o desfile da Filhos da Águia – Foto: Paulo Portilho/Riotur

Fonte.:  www.sambarazzo.com.br