Dinastia Nascimento com gás novo!


Incrível! Quando paramos para pensar que Vilma Nascimento começou a dançar na década de 1950 e parou como porta-bandeira na década de 1990, vemos que, além de seu legado imortal, ela vem gerando frutos através de suas descendentes.

Primeiro, surge a filha Daniele Nascimento; em seguida, a neta Camylinha Nascimento; e agora, a bisneta Clarice Nascimento, que com apenas 10 anos foi convidada para ser primeira porta-bandeira da Escola de Samba Mirim da Estácio de Sá.

Não é na Portela, onde toda a família fez história e ajudou a escrever muitas páginas de glória, porém, é em outra escola tradicionalíssima e de suma importância para nossa cultura, pois foi a primeira Escola de Samba do Rio de Janeiro, berço do moderno carnaval.

Clarice nunca foi incentivada pela família a ocupar o posto em que sua bisavó se imortalizou.  Aos 9 anos, ainda estava em dúvida entre ser passista ou Porta-Bandeira. Desfilou um ano como Musa da Filhos da Águia, Escola Mirim da Portela, e chegou à conclusão de que ser Musa não era a sua praia.

Logo após o carnaval, Clarice procurou o Mestre Galo para fazer aulas de Porta-Bandeira. Após 4 meses de aula, ela acaba de ser convidada pela Escola Mirim da Estácio de Sá e já será apresentada nesta sexta-feira, dia 14 de outubro de 2018, às 20 horas.

A bisa Vilma, que imaginava já estar se aposentando do compromisso de seguir as herdeiras e do "trabalho" com as mesmas, já entendeu que está apenas recomeçando uma nova e longa jornada. Vilma bordou a primeira roupa da bisneta Clarice e agora está finalizando a blusa que ela irá usar na apresentação desta sexta.

Clarice está super feliz e, dedicada, ensaia quase todos os dias no quintal onde mora. Por vezes, ela procura tirar alguma dúvida com a bisa ou com o pai.

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos. Por essas e outras é que Nelson Sargento diz: "samba, agoniza mas não morre...".

Fonte.:  Bernard Nascimento - Portelamor