Sambistas comemoram sucesso da Roda do Candongueiro na Portela

 

Evento reuniu Wilson Moreira, Nei Lopes, Toninho Nascimento, Zé Luiz do Império e muitos outros bambas

Uma grande confraternização de sambistas. Assim pode ser definida a edição especial da roda do Candongueiro na Portela, que agitou a quadra da maior campeã do carnaval carioca, no último sábado (14), com as participações especialíssimas de Wilson Moreira e Nei Lopes.

Além dos convidados de honra, o evento recebeu uma legião de apaixonados pelo samba e pela cultura popular, como os compositores Zé Luiz do Império, Toninho Nascimento e Ivan Milanês, os cantores Didu Nogueira e Gisa Nogueira, o radialista Rubem Confete, a escritora e pesquisadora Marilia Trindade Barboza, além de Tia Surica, Serginho Procópio e David do Pandeiro, membros ilustres da Velha Guarda Show da Portela.

Madrinha do evento, Dona Neném, de 93 anos, viúva do compositor Manacéa, emocionou o público ao acompanhar tudo numa mesa próxima aos músicos, apesar da saúde frágil. Ao lado da filha Aurea Maria, uma das pastoras da Velha Guarda, a baluarte agradeceu o carinho e foi homenageada com um buquê de flores, entregue por Hilton Mendes e Hilda Bastos, os fundadores do Candongueiro, que funcionou de 1988 a 2017, em Pendotiba, Niterói.

"Foi uma tarde muito legal. Eu sou Portela desde pequeno, então tem um valor especial levar o Candongueiro para a Portela, pois sempre recebemos a Velha Guarda Show com muito carinho. Então juntou tudo, sabe? Não tem mentira, só tem verdade! E o pessoal de Niterói prestigiou em peso. Ficamos muitos felizes. Tomara que a gente possa fazer outras vezes", comemorou Hilton.

Antigo frequentador do Candongueiro e idealizador do evento, o presidente da Portela, Luis Carlos Magalhães, também festejou: "Foi a prova que nós queríamos. A gente precisava saber o Candongueiro ainda estava vivo. E está! Muito vivo! Muitos dos que vieram à Portela frequentavam o Candongueiro e faziam dele um foco de resistência durante todos esses anos. Foi uma bela primeira vez. Temos, agora, que trabalhar para fixar e fortalecer ainda mais a relação entre a Portela e o Candongueiro."

Após brindar o público com mais de uma hora e meia de show, Nei Lopes estava radiante. "É sempre muito bom cantar na Portela. Melhor ainda sendo num evento envolvendo o Candongueiro. Me senti em casa", disse.

Ex-presidente do Museu da Imagem e do Som e autora das biografias de Cartola, Silas de Oliveira e Pixinguinha, Marilia Barboza elogiou a realização do evento em seu perfil no Facebook. "Hoje eu fui ao Candongueiro na Portela, o mesmo Candongueiro a que estive presente à inauguração, há décadas, e que frequentei, anos e anos, ao lado do mestre Arthur Loureiro de Oliveira, porque adorava o feijão da Hilda, a roda do Hilton e o samba de todo mundo. Foi emocionante rever tantos, abraçar muitos, cantar, rir e chorar. Obrigada, vida." 

A próxima edição do evento deverá acontecer até o fim do ano.



Foto: Talles Reis / Divulgação

Fonte.:  www.gresportela.com.br