Portelenses comemoram enredo sobre Clara Nunes no carnaval de 2019

 

RIO - Uma obra do início da década de 1920 vai ser o ponto de partida da homenagem que a Portela fará na Sapucaí à cantora Clara Nunes, inspiradora do desfile do próximo ano. A partir do quadro "Carnaval em Madureira", de Tarsila do Amaral, a escola promete discutir a brasilidade e o legado de um de seus maiores ícones com o enredo "Na Madureira moderníssima, hei sempre de ouvir cantar uma Sabiá".

- Os modernistas buscavam a brasilidade, Tarsila resolveu isso nas ruas de Madureira e a carreira de Clara despontou quando ela encontrou a Portela, os artistas do bairro. Isso faz com que ela seja a própria essência desse lugar - disse Fábio Pavão, integrante da comissão de carnaval e presidente do conselho deliberativo da escola.

Carnavalesca da azul e branco, Rosa Magalhães ainda faz suspense sobre o desenvolvimento do enredo. Detalhes, só em junho, quando entregará a sinopse. Mergulhada na biografia da cantora e na trajetória da escola, ela vê a escolha de Clara Nunes como uma espécie de "carinho":

- É um elogio a Madureira. Clara se dedicou à escola, gravou sambas de baluartes, foi conquistando o público e ganhou o Brasil. A rua onde fica a Portela leva o nome da cantora. Tudo está interligado.

A relação da cantora com a Portela começou no início da década de 1970 e, 35 anos depois de sua morte, Clara Nunes continua mobilizando fãs. Para o presidente da escola, Luís Carlos Magalhães, a escolha do enredo casa com um momento de grande euforia da azul e branco:

- Foi irresistível escolher Clara como enredo. Estamos celebrando os 95 anos da escola, e queríamos, para o próximo carnaval, um tema que representasse a alma da Portela. Clara é atemporal, marcou muito a escola e temos de manter viva a sua imagem.

NA DÉCADA DE 1970, ARTISTA LUTA CONTRA O PRECONCEITO

Autor do livro "Clara Nunes - Guerreira da utopia", o jornalista Vagner Fernandes também festejou a escolha da cantora como enredo da Portela:

PUBLICIDADE

- A escolha foi sensacional. Vai ser uma das homenagens mais importantes das últimas décadas, do ponto de vista da celebração da memória de um personagem.

Para Fernandes, Clara Nunes é um símbolo da música por razões que vão além do encanto por sua voz. Ele lembrou a forte presença cênica da cantora e o impacto que causava com suas roupas. Além disso, o jornalista destacou que a artista quebrou tabus e levantou debates que permanecem contemporâneos:

- Ela foi a primeira mulher a romper a marca dos cem mil discos vendidos num mercado até então dominado por homens. Clara usava a arte como instrumento para discutir questões relacionadas ao preconceito étnico-racial e à intolerância religiosa.

GRAVAÇÕES IMPORTANTES

O biógrafo também disse que Clara teve um papel importante na música brasileira por gravar composições de artistas que estavam no anonimato:

- Ela resgatou compositores como Candeia, Toninho Nascimento e até Cartola e Nelson Cavaquinho. E ainda foi a primeira a gravar Dona Ivone Lara, em 1974.

Da década de 1970 até sua morte, em 1983, Clara frequentou a escola de Madureira e esteve próxima aos compositores da Velha Guarda. Tia Surica, baluarte da Portela, conviveu com a cantora e aguarda ansiosamente o dia do desfile.

- Ela tinha muito amor pela Portela. Se Deus quiser, estarei firme e forte na Sapucaí para homenageá-la.

Fonte.:  O Globo.globo