Dorina & Aldir Blanc: feito uma festa, um ritual ?

Paulo Oliveira

Um show em homenagem a Aldir Blanc, um dos melhores e mais produtivos compositores de nossa MPB, implica riscos. Pode-se incorrer na coletânea, na leitura descosida da obra, de estrutura desconexa, embora brilhante, pela qualidade do repertório. Mas quando o trabalho de Aldir encontra uma intérprete com a sensibilidade de Dorina, tudo se torna aparentemente simples. Mas não é. Dorina sabe que tem em mãos um compositor de obra rigorosamente construída em torno de verdades e escolhas poéticas inconfundíveis. O que faz esse CD imprescindível é esse casamento entre cantora e homenageado. Já na primeira audição de Dorina canta Sambas de Aldir & Ouvir, Ao Vivo já sabemos que o enlace tem as bênçãos dos Orixás. O título é de grande felicidade, achado poético digno dos poemas de Aldir. Nos – infelizmente – pouco mais de 44 minutos da obra, o que ouvimos faz jus à pena do poeta e vai além da merecida homenagem aos 70 anos do mestre.

A portelense Dorina e o salgueirense Aldir são pares perfeitos de uma dança que requer entendimento e afinidade. O repertório, como não poderia deixar de ser, é primoroso, e não falamos apenas desse lugar comum, embora verdadeiro, da excelência das canções que Aldir lapida, com parceiros diversos. A sequência apresentada no CD alinhava, faixa a faixa, a poética sinuosa de Blanc. Com treze canções do mestre, Dorina canta/conta uma história de vida poética das mais vigorosas. Em “Navalha” (Bosco/Blanc), os versos de abertura já mostram a que qualidade de poeta Dorina empresta a voz: “Teu sorriso é uma navalha/ Que abre meu coração/ O sangue pelo peito/ É do Cristo da Paixão”. O trabalho de Blanc adentra o universo do sagrado e do profano, ecoa João do Rio, Lima Barreto, Nélson Rodrigues, transita por ruas e becos sórdidos da cidade, povoada por gente cariada e maltratada, por sujeitos oblíquos e trágicos que se esbarram nos “botequins mais vagabundos” (“Pra que pedir perdão”, de Moacyr Luz/Blanc), transmudados em locais de contemplação e reflexão. Nesta canção, frases triviais (“Marquei bobeira...”) abraçam metáforas exuberantes: “Hoje eu vejo as coisas como são/ E estrela é só um incêndio na solidão”. Aldir enxerga no menor, no pequeno, assim como Manuel Bandeira viu no beco, a poesia céu-inferno que dali brota. Dessa categoria de poeta se nutre o trabalho de Dorina.

Cada nota emitida pela intérprete carrega uma compreensão de letra e música que nos lança no universo mágico-poético-humano de Aldir. Com seus santos protetores, os bravos guerreiros Paulão 7 Cordas (violão), Ramon Araújo (Violão) e Rodrigo Reis (Percussão), Dorina incorpora a entidade Aldir e suas falanges e os revela. Resulta uma obra composta de dramas de amor, religiosidade e profano, histórias encenadas em pés-sujos ou protagonizadas por mestres, como Nélson Sargento e Wilson das Neves, heróis de nossa gente calejada, personagens de uma história mal contada, a do povo anônimo, sem voz. Coube a Dorina dar forma musical a esse universo, com brilhantismo de intérprete rara, seja quando relê “O Mestre-Sala dos mares”, “O ronco da cuíca” e “De frente pro crime”, ou nos recorda que o hino da anistia, “O bêbado e o equilibrista” (que completa o quarteto de canções da década de 70) é espantosamente atual. Esses tempos duros podem ser bem sintetizados nesses versos de “O ronco da cuíca”: “A raiva dá pra parar, pra interromper/ A fome não dá pra interromper/ A raiva e a fome é coisa dos home”.

E assim descobrimos outro predicado no CD/Show: um viés político. Em tempos de pornografia política explícita, Aldir revelou em entrevista a um jornal carioca que alguns intérpretes se recusaram a gravar “Saindo à francesa”, bela e comovente homenagem a Maurício Tapajós (o “Gordo”), por conta de um palavrão. Porque compreende o que canta e canta o que sente como verdade, Dorina enobrece essa exaltação à amizade, de peito aberto e sem o pretenso purismo dos farsantes. E homenageia novamente um de seus amigos queridos, o saudoso Luiz Carlos da Vila, um dos autores da canção, a quem também prestou bela homenagem. Porque é também uma obra política, o CD se encerra com “O bêbado e o equilibrista”, como dissemos, de assombrosa atualidade. Dorina cumpre seu papel de artista com fé no que sabe fazer de melhor, que é acordar as coisas de seu sono dogmático, tirar as palavras do seu estado de dicionário, como disse o poeta Drummond, dando-lhes sentido em forma de música, canto e interpretação.

E assim, a cantora passeia pelo jardim de Blanc, espaço iluminado pelas “cintilações da África primeira” e enfeitado por uma “Lua branca em neve na tamarineira”, versos da comovente  “Imperial” (de Aldir Blanc e Wilson das Neves); faz sua prece a São Jorge Guerreiro (“Que a malvadeza deste mundo é grande em extensão/ e muita vez tem ar de anjo e garras de dragão”), que certamente lhe guarda, em “Medalha de São Jorge”, parceria de Blanc e Moacyr Luz; e circula, senhora de si, nesse vergel cultivado em terreiros de samba, solo sagrado, onde ela pisa forte e canta: “Aí meto o couro pra valorizar/ O que é brasileiro/ Porque só quem gira a pé no morro/ Sabe o que eu corro por aí/ Pra essa peteca não cair/ Canto qualquer parada/ Mando: – não tem errada!” (“Mandingueiro”, de Moacyr Luz/Blanc).
É esse o universo de Aldir que Dorina interpreta com intimidade espantosa, traduzindo com aparente simplicidade uma obra densa, “Som de andaime despencando/ De encosta desmoronando/ De rios violentando/ As margens do meu limite/ Samba, samba, samba” (Cristóvão Bastos/ Aldir Blanc/ Clarice Grova). De mãos dadas com seu “Pretinho básico”, inédita de Aldir e Moiséis Marques, ela escreve com autoridade sua história no samba: “O meu futuro a Deus pertence/ e eu vivo no presente, Oxalá!/ Meu destino entrego aos rios/ do meu Orixá...”. Abolindo os limites que nos enclausuram em categorias de bom e mau gosto; rejeitando pseudo-autoridades que impõem aos incautos conceitos petrificados de arte, a poesia de Aldir revela um mundo muito mais expressivo e necessário, para além das dicotomias, onde aprendemos a aprender, pois a arte verdadeira é a que nos retira de nosso conforto, para que aprendamos a ver e ouvir melhor. Blanc e Dorina nos ensinam a tolerância, graças a Deus e a Oxalá! Tudo isso traduzido em canto. E que tenhamos disposição para ouvir, verso a verso, canção a canção, com o coração desarmado e com ouvidos bem atentos, para sermos honestos com a obra do poeta e da intérprete. Porque o que há nestes Sambas de Aldir & Ouvir não é para acovardados e acomodados.

Como disse Aldir Blanc, em época de farsantes é preciso reverenciar artistas autênticos como Dorina, corajosa, abusada, que surge em disco e no palco sem máscaras. Ela é o que é, e o que ela é e nos entrega, com sua arte, nos faz um bem enorme, porque é a sua verdade. Saudações portelenses e portelamorenses. Brava!

Avante Portela!!!

 

Foto: Site oficial da Dorina
http://dorina.com.br

 

 

*****